The Babbel Blog

language learning in the digital age

O melhor método de estudo: o seu método O que especialistas da Babbel fazem para aprender idiomas

Posted on July 5, 2017 by

 

Na hora de aprender um idioma, as opções são as mais diversas. Mas como escolher alguma que, além de eficaz, seja adequada às suas necessidades? A seguir, as especialistas da Babbel, Sara e Fidi, contam o que você pode fazer para aprender um idioma aproveitando seu tempo livre: seja no conforto do sofá, seja no ônibus ou no metrô. Além disso, elas revelam estratégias de aprendizado. Em se tratando de um novo idioma a máxima: “o mais importante é se divertir” nunca deve ser esquecida. Ou seja, até mesmo um bar de karaokê é lugar de aprender e praticar…

 

Não há certo nem errado: é tudo uma questão de combinação

Você tomou coragem e finalmente decidiu colocar em prática aquele projeto que vinha adiando havia anos: chegou a hora de aprender um novo idioma! Nesse momento, porém, você se vê diante de uma variedade infinita de opções: frequentar uma escola de idiomas, contratar um professor particular, comprar livros e mais livros, gramáticas, assistir a vídeos com tutoriais, baixar podcasts, aplicativos… A lista é interminável! Como se decidir?

A boa notícia é que não há certo nem errado — desde que você não se limite a apenas um método de aprendizagem. Afinal, nenhum deles é, por si só, milagroso. Quando se trata de aprender um idioma, vale a pena testar diferentes métodos e produtos, além de encontrar uma forma de combiná-los. Se você não tem muita paciência para livros nem muito dinheiro para investir em um curso regular, mas tem uma agenda bastante flexível, uma boa forma de complementar seu aprendizado pode ser por meio do aplicativo de ensino de idiomas da Babbel. Com ele, você pode decidir quando, onde e quanto você quer aprender. Basta ter um dispositivo com conexão à internet, baixar o aplicativo e pronto! Nada mais simples, certo? Bom, na verdade, não é bem assim que as coisas funcionam…

Os aplicativos também têm suas limitações. Nosso trabalho, porém, é fazer com que essas limitações sejam o mais imperceptível possível para os usuários. Por exemplo, em vez de oferecer explicações complicadas, usando termos linguísticos, nos concentramos em escolher temas e palavras que em pouco tempo preparem o usuário para sua primeira conversa no novo idioma. Além disso, nossos cursos estão divididos em unidades que podem ser facilmente integradas ao seu dia a dia.

Uma de nossas abordagens mais importantes é envolver os diferentes sentidos do usuário (visão, audição, fala etc.) em seu aprendizado. Quando uma informação nova pode ser associada a uma informação já existente e processada por diferentes canais, formam-se pontos de associação e conexão no cérebro do usuário. Esses pontos de associação, além de fazerem com que o processo de aprendizagem seja algo individual, possibilitam que as informações aprendidas estejam disponíveis de forma rápida. É claro que, para isso, essas informações armazenadas precisam ser regularmente repetidas e acessadas, de forma a evitar que o caminho por elas percorrido fique cada vez maior. E nem sempre é fácil encontrar o equilíbrio perfeito entre aprendizagem e repetição: é por isso que resolvemos dar uma mãozinha. Quando você aprende um idioma com a Babbel, reapresentamos regras e palavras de lições anteriores em intervalos de tempo apropriados para garantir que você não se esqueça de como usá-las corretamente. Afinal, a repetição é um dos pontos-chave quando queremos aprender um novo idioma de maneira bem-sucedida.

O importante é se divertir!

Antes de começar a aprender um novo idioma, vale a pena se fazer algumas perguntas e descobrir que tipo de aluno ou aluna você é. Por quanto tempo você consegue se concentrar? Qual é a melhor forma de encontrar concentração? Você aprende melhor vendo ou ouvindo? Você prefere aprender em grupo ou de forma independente?

Ao escolher os métodos e produtos mais apropriados para complementar seu aprendizado, você deve levar em consideração seus objetivos – mas sem deixar de lado sua diversão. Você decidiu aprender francês com a Babbel porque em breve você vai realizar o seu sonho de conhecer a França? Nesse caso, antes de embarcar, você poderia, por exemplo, também conversar com alguém que fale francês. De repente, valeria a pena entrar em contato com um professor particular ou, se você quiser gastar menos, encontrar um parceiro de tandem, alguém disposto a conversar com você em francês em troca do seu português, de forma que vocês dois possam treinar suas habilidades linguísticas.

Para aprender um idioma, nada melhor do que estarmos cercados por ele. Mas isso não quer dizer que você precisa obrigatoriamente fazer um curso no exterior! Afinal, poucos de nós temos tempo e dinheiro para isso… Por sorte, existem outras maneiras de imergir em um novo idioma sem ter que sair do sofá ou sem fazer um grande investimento de tempo. Você gosta de assistir séries à noite para relaxar antes de dormir? Uma ideia seria assistir a uma série no idioma que você está aprendendo (com as legendas ativadas nessa língua). Assim, além de não precisar abrir mão do seu hobby, você poderá treinar suas habilidades de escuta. Com esse tipo de imersão, fica mais fácil internalizar a entonação do idioma. Sem falar que você aprenderá coisas novas sobre a cultura de um país e passará a conhecer certas especificidades do idioma que dificilmente seriam descritas em algum material didático. A mesma coisa vale para livros, podcasts, programas de rádio ou artigos de jornal em outros idiomas.

Mas vá aos poucos! Mesmo que você adore ler e esteja aprendendo russo há pouco tempo, não faria sentido começar com o Guerra e paz. Experimente primeiro com simples manchetes de jornal. Pense em como integrar seu novo idioma ao tempo livre que você tem disponível. Você verá que essa estratégia, além de motivadora, fará com que você tenha um progresso bastante rápido!

É isso o que nós da Babbel fazemos! Quando decidimos aprender um novo idioma, além de usarmos o aplicativo, visitamos cursos tradicionais, viajamos, assistimos a filmes e ouvimos música nesse idioma. E ainda organizamos noites de karaokê multilíngue! Para nós, certamente uma grande diversão — para o público, nem tanto… Mas também temos colegas que não gostam de karaokê e que preferem encontrar pessoas com quem possam conversar para treinar seus conhecimentos. Afinal, quando se trata de um novo idioma, vale a velha regra de sempre: é praticando que se aprende.

Leave a Reply