The Babbel Blog

language learning in the digital age

Por dentro da Babbel: Matthew Youlden

Posted on May 10, 2016 by

Matthew work

 

Matthew Youlden é nosso hiperpoliglota, linguista e especialista em idiomas na Babbel. Talvez você o conheça por ele estar em todo lugar na internet. Mas, quem é ele realmente? Sam Taylor tem a resposta.

 

Você deve conhecer esse sorriso largo. Isso, porque desde 2014, Matthew Youlden tem sido a cara da Babbel (sim, a barba dele é ruiva mesmo). Ao longo dos últimos anos, ele apareceu em jornais, televisão e rádio do mundo todo e — claro — ele também está em toda parte na internet.

 

Mas, por que Matthew? Bem, além de seu sorriso encantador, ele é o que chamamos de hiperpoliglota. Segundo seus cálculos, Matthew fala por volta de 20 idiomas, dos quais, 9 a 10, fluentemente. E, pelos meus cáculos, ele está sendo modesto: trabalhando na mesma sala que o Sr. Youlden, eu o ouço frequentemente trocar os idiomas como se não fosse nada. Ele pode estar conversando em catalão enquanto escreve um email em alemão, respondendo perguntas em italiano e se esquivando de minhas interrupções em inglês.

 

Além de sua própria paixão por línguas, Matthew possui um dom extraordinário para inspirar os outros. Seu entusiasmo é tão contagiante, que que ele foi nomeado especialista em idiomas da Babbel.

 

O que ele fazia antes disso?

Mas o que ele fazia antes disso? Ele investia seus talentos em nossos cursos, claro. Considerando que o Matthew já tinha conseguido decodificar a aprendizagem de idiomas por conta própria, fazia todo sentido pedir que ele dividisse seu conhecimento conosco e ajudasse nossos usuários a aprender alguns idiomas novos? E foi um complemento perfeito:

 

“Acredite ou não, criar um curso de idiomas é muito divertido”, diz ele. “Desde ter ideias para o conteúdo, escrevê-lo, adaptá-lo, traduzi-lo e então gravar as falas — envolve muito mais do que se imagina.”

 

Um dia na vida

Matthew coffee

 

Assim como muitos da equipe da Babbel, o Matthew mora em Berlim. Ele trocou as steak pies (tortas de bife) de sua cidade natal, Manchester, pelo currywurst (linguiça típca alemã) local, e divide um apartamento com seu irmão gêmeo Michael, que — não tínhamos mencioado? — também é um hiperpoliglota.

 

Dependendo do dia da semana, o Matthew sai de casa de manhã e vai para a sededa Babbel ou para a faculdade, onde ele atualmente está lecionando e terminando seu doutorado em linguística aplicada.  

 

Caso seja um dia de ir à Babbel, nós o veremos aqui bem cedo. Ele vai para o lugar dele no canto da janela e prepara-se para o dia de trabalho — escrevendo artigos, preparando discursos, arranjando tempo para todas as reuniões que lhe são requisitadas (e, imagino eu, respondendo pilhas de e-mails de fãs).

 

“O melhor é receber um e-mail de alguém que decidiu apreder um novo idioma ou retornar a um que já havia iniciado”, ele explica. “É maravilhoso ouvi-los dizer que leram um artigo ou assistiram um vídeo que os motivou. Se eu conseguir encorajar outras pessoas a fazer alguma coisa, então, eu acho que minha missão do dia estará cumprida!”

 

E depois disso?

 

“Uma caneca de cidra e um pacotinho de batata frita com queijo e cebola para o caminho de casa”, diz ele.

 

Ele saiu de Manchester, mas Mancherster não saiu dele.

 

Construindo um poliglota

Por quê? Mas por que — você pode estar se perguntando — alguém quer falar tantos idiomas?

 

“Meu interesse começou por querer ver coisas fora da minha cidadezinha”, ele conta. “E eu acho que, provavelmente, também sou muito curioso a respeito de outros lugares, outras pessoas, outras culturas.  Quero ver como as coisas são em uma comunidade linguística diferente. Eu acho que isso foi o que realmente me motivou.

 

“Existem tantas vantagens de se aprender um idioma novo — isso realmente abre seus horizontes. Claro que você pode ir praticamente a qualquer lugar e se virar através de gestos, mas você nunca vai se sentir realmente à vontade com isso. Pelo menos, não da maneira que você poderia, se pudesse interagir completamente em qualquer situação em que você se deparasse.”

 

E isso não limita-se a pedir um café ou comprar uma passagem de trem:

 

“As possibilidades são praticamente ilimitadas. Os idiomas têm uma grande quantidade de valor prático e logístico em viagens, claro, mas profissionalmente, para a aptidão mental, autoaperfeiçoamento geral, ou para encontrar uma perspectiva diferente, eles são igualmente úteis. Você pode até encontrar a pessoa dos seus sonhos em um lugar inesperado.”

 

Qual o próximo passo?

O trabalho do Matthew nunca termina — que bom, porque ele ama fazer isso. Sempre haverá mais pessoas falando sobre as maravilhas de aprender idiomas, mesmo quando se precisa primeiro aprender seu próprio idioma para poder explicar bem.

 

No momento, Matthew está planejando vários discursos públicos de alto nível, entrevistas e artigos para jornais da sede principal da Babbel. Com o tempo restante, ele trabalha duro para terminar seu doutorado. Então, em breve, nós estaremos nos referido a ele como Dr. Youlden.

 

Qual é o próximo idioma? Galês, porque é próxima de sua língua materna, o irlandês, e inuktitut — porque… bem… Matthew.

 

Apêndice

Aqui está o que você realmente queria ler. A lista de todos os idiomas que o Matthew fala fluentemente:

  • inglês
  • alemão
  • irlandês
  • francês
  • espanhol
  • catalão
  • português
  • italiano
  • hebraico

 

Matthew também fala estes idiomas, mas não tem a pretensão de se dizer fluente ainda:

  • holandês
  • africâner
  • ucraniano
  • croata / sérvio
  • galego
  • maltês
  • turco
  • baixo alemão

 

Ele consegue se virar nesses idiomas:

  • faroês
  • papiamento
  • norueguês
  • sueco

 

E agora, ele está se preparando para adicionar galês e também inuktitut, é claro. Porque parece que 21 idiomas não bastam.

 

matthew meeting

 

Comments

A trajetória do Matthew me inspira muito! Adoraria de vê-lo ao vivo numa palestra. Estudo Letras na faculdade (UFRJ), temos graduações de quase todas as línguas que ele fala + algumas outras, e vejo muitos desmotivados e desacreditados em estudar línguas. Seria um prazer tê-lo por lá pra debater linguística, cultura e etcetc!

Isso motiva pessoas como eu que querem trabalhar com idiomas

Il est un incroyable! Parler plusieurs langues est un privilège pour peu

Leave a Reply