The Babbel Blog

language learning in the digital age

Retratos: Laura da Escócia aprende português por amor

Posted on September 11, 2015 by

retratos

 

A série retratos dos usuários da Babbel traz pequenas passagens das vidas de nossos usuários e suas razões para aprenderem um novo idioma. Se você quiser compartilhar sua história conosco, escreva-nos um comentário. Nesta edição, vamos conhecer a estudante escocesa de Glasgow Laura Watts, que aprendeu português do Brasil com a Babbel por causa do namorado Bruno. Nós gostamos tanto da história da Laura que decidimos nos encontrar com ela para saber mais sobre essa experiência de aprender um idioma por amor.

 

Alguma vez na vida, você já tinha pensado em aprender português antes de conhecer o Bruno?

Não. Antes, eu não tinha um contato real com esse idioma, exceto por alguns sambistas famosos que eu já tinha ouvido no rádio.

Antes de nós começarmos a namorar oficialmente, nós trocamos algumas palavras só por diversão. O Bruno me ensinava português e eu o ensinava scots – nós nos divertíamos muito, ouvindo como nós arruinávamos o idioma um do outro com nossos sotaques.

E como vocês se conheceram, afinal? E o que levou você a querer aprender um outro idioma?

No meu primeiro dia na faculdade, eu estava uma pilha de nervos. A ansiedade e nervosismo que embrulhavam meu estômago quase me fizeram passar direto por ele. Ele sorriu e se apresentou em um inglês perfeito de uma forma que me deixou de joelhos trêmulos e rindo como uma garotinha da escola primária.

Nós descobrimos que íamos morar no mesmo edifício da república estudantil e quando eu me mudei para lá, nós passamos a noite tomando café e nos conhecendo. Nós ficamos amigos muito depressa e passamos muito tempo juntos, indo comer fora e fazendo passeios pelo país. O Bruno ia estudar um ano de engenharia civil em Glasgow, e a inteligência e a sagacidade dele quebraram qualquer barreira linguística. Ele era praticamente fluente em inglês, mas achava difícil entender o sotaque escocês!

Apesar de eu o achar extremamente atraente e querer algo a mais, eu gostava demais de passar o tempo com ele e não queria botar tudo a perder dando o próximo passo. Só perto do Natal, ou seja, quatro meses mais tarde, é que nós nos beijamos depois de uma longa caminhada pela minha cidade. Durante os meses seguintes, nós nos aproximamos mais e mais, mas eu sempre soube que ele ia ficar na Escócia só por um ano e tomava cuidado para não me apegar demais.

Apesar de todo nosso cuidado, quando o verão chegou, nós estávamos completamente apaixonados. Eu o amava e não hesitei sequer um segundo quando ele me perguntou se eu queria continuar nossa relação mesmo depois de sua partida. Eu nunca havia imaginado ter um relacionamento à distância, mas o aperto que eu senti no peito quando o vi embarcar foi suficiente para arriscar.

Cinco meses depois, eu me estava no Brasil ao lado do amor da minha vida. A maior parte da família dele não falava inglês muito bem. Por isso, eu comecei logo a aprender português, para poder me comunicar melhor com eles. Eles foram tão acolhedores e se esforçaram muito para me conhecer, o que realmente fez a diferença. Agora, o Bruno vem me visitar e eu não poderia estar mais feliz!

O que o Bruno acha de você estar aprendendo o idioma dele?

Os olhos dele brilham toda vez que eu falo como ele em português. Ele disse que mal pode esperar para que eu consiga manter uma conversa de verdade com ele. Nas palavras dele: “Você só viu parte de mim que eu consigo expressar em uma língua que não é a língua na qual eu penso. Quando você conseguir ouvir essas palavras, sem alteração, aí, você vai conhecer o meu verdadeiro eu.”

Como você vem aprendendo?

Eu comecei a aprender através de vídeos do YouTube, o que foi um bom início. No início do ano, eu também fiz um curso na minha faculdade, o que me ajudou a entender algumas regras básicas de gramática. Depois da minha viagem ao Brasil, eu decidi fazer uma assinatura deum ano do curso da Babbel. Eu estudo com a Babbel no meu celular e também com livros e vídeos.

Às vezes eu ainda tenho medo de falar (eu tenho consciência do meu sotaque), mas o Bruno me encoraja sempre. Isso é razão suficiente para continuar. Intercâmbios linguísticos são definitivamente de um valor inestimável na aprendizagem de idiomas, e conversar com um falante nativo ajuda a aprender também expressões idiomáticas e linguagem coloquial além da gramática tradicional.

Você já se deparou com palavras ou conceitos particularmente complicados?

Eu cometi um erro, que muitos cometem, quando eu quis comprar uma água de coco gelada com um vendedor ambulante pela primeira vez. Eu achava que tinha pedido de forma correta, mas eu coloquei a tonicidade na sílaba errada e acabei pedindo uma água de cocô gelada!

Um erro muito fácil de acontecer! Você está animada em continuar aperfeiçoando seu português?

Sim. No momento, eu tenho muito o que fazer por conta dos trabalhos de conclusão da faculdade e é muito difícil mergulhar de verdade na língua. Eu mal posso esperar o fim das provas para ter mais tempo para me dedicar ao português.

Obrigado, Laura, e boa sorte!

 

Leave a Reply